artigos

Domingo Azul

Merval Pereira
O Globo
Rio, 3 de maio de 2009

Hoje vou aproveitar o espaço da coluna para retomar uma prática do meu antecessor Marcio Moreira Alves e falar sobre coisas boas que acontecem no nosso país. Meu “domingo azul” homenageia duas entidades dedicadas a melhorar a qualidade de vida e a defender a cidadania de deficientes físicos, das quais sou conselheiro: a rede Sarah, a mais importante rede de hospitais especializados em aparelho locomotor e pesquisas neurológicas do país e uma das melhores do mundo, e o Instituto Brasileiro de Defesa de Pessoas Portadoras de Deficiência (IBDD). O primeiro inaugurou no Rio na sexta-feira o Centro Internacional Sarah de Neurorreabilitação e Neurociências. E o IBDD está comemorando dez anos de fundação como uma instituição de referência na área social e na conscientização da sociedade e do Estado em relação à cidadania das pessoas com deficiência.


Criada em Brasília, a rede Sarah se espalha por vários estados do país e instalou no Rio sua unidade mais avançada. O IBDD, a partir do sucesso do trabalho no Rio, se prepara para chegar a outras cidades através de uma rede de conhecimento para reproduzir sua metodologia.

O Centro Internacional será a unidade de referência da Rede Sarah para a neurorreabilitação, e também uma instituição de pesquisa em neurociência, com um programa de pós-doutorado para pesquisadores do Brasil e do exterior.

Já este ano, o Centro Internacional vai receber pesquisadores dos Estados Unidos, da Bélgica e da França.

O IBDD trabalha em três setores: direitos, trabalho e esportes, para atender o deficiente tanto no plano pessoal quanto no institucional, trabalhando por um aperfeiçoamento da legislação.

A nova unidade da Rede Sarah é destinada a programas de reabilitação para pessoas com problemas que afetam o sistema nervoso central, como acidente vascular cerebral, paralisia cerebral, traumatismo cranioencefálico, doença de Parkinson e Alzheimer.

Com 209 leitos, está preparada para atender gratuitamente a 20 mil pacientes/mês.

O IBDD já atendeu, nesses dez anos, a 40 mil pessoas, tratando desde inserção profissional até defesa dos direitos e profissionalização. Na área de esportes, tem resultados excelentes nas diversas paraolimpíadas que seus atletas disputaram, ganhando diversas medalhas de ouro.

Em ambos os casos, os aspectos humanos são mais valorizados do que a técnica ou o orçamento.

A historiadora Teresa Costa d'Amaral, idealizadora do IBDD, tem definições precisas de sua missão:

— A consciência da cidadania usurpada, o entendimento da necessidade do uso dos caminhos legais existentes e a crença na imprescindível participação da sociedade para a construção de um Brasil mais justo me levaram a idealizar o IBDD e a fazer dele uma realidade.

— O desejo de contribuir decisivamente para construir um novo olhar sobre a inclusão social e a cidadania das pessoas com deficiência e o desafio de que pudéssemos tocar na vida de muitos brasileiros foram minha motivação para criar o IBDD.

— A participação na construção de um país menos desigual deu sentido à nossa existência e à nossa luta.

O médico Aloysio Campos da Paz, idealizador da Rede Sarah, baseia seu trabalho em diversas premissas humanísticas:

— Criar uma rede de neurorreabilitação que entenda o ser humano como sujeito da ação e não como objeto sobre o qual se aplicam técnicas.

— Trabalhar para que cada pessoa seja tratada com base no seu potencial e não nas suas dificuldades.

— Vivenciar o trabalho multidisciplinar em saúde como um conjunto de conhecimentos, técnicas e atitudes unificadas, destinadas a gerar um processo de reabilitação humanístico.

— Transformar cada pessoa em agente de sua própria saúde.

 


 
voltar
 
 
fale conosco telefone (021) 3235-9290   Flamengo, Rio de Janeiro, Brasil
pagina do facebook Parcerias ASHOKA AVINA HERING
Barra de Acessibilidade